sexta-feira, 29 de maio de 2009

Formas funcionais


quarta-feira, 27 de maio de 2009

PRECISAMOS DE UM LUÍS CARLOS PRATES EM PORTUGAL !

video


segunda-feira, 25 de maio de 2009

Sound and Vision


Falar claro: Discriminação financeira em Portugal

«É que ainda me lembro que, há menos de um ano, havia muita gente a gabar-se dos excelentes negócios que conseguira junto do BPN, que oferecia taxas de juro no depósito a prazo muito superiores à dos outros bancos. Hoje, continuam a rir-se, porque o Estado nacionalizou o banco e assumiu esse ónus, e o seu risco desapareceu mas não foi descontado. Quem não aproveitou, porque não queria correr riscos, paga duas vezes pela sua prudência, porque recebeu menos juro e paga aos mais ousados, através dos impostos.»

Jornal Público, 25 de Maio de 2009, parte de um artigo de Rui Moreira.


sexta-feira, 22 de maio de 2009

Fantástico !

Dubai 1990

Dubai 2003

Dubai 2007


quarta-feira, 20 de maio de 2009

SÉRIES TV


Conforme solicitado pela ilustre Margarida Pereira, aqui ficam as minhas 15 séries preferidas (até ao ano 2000):

- Sherlock Holmes (Granada Television)
- The Persuaders
- Dempsey & Makepeace
- Allo Allo
- Contos do Imprevisto
- Conan - O Rapaz do Futuro (Hayao Miyazaki)
- Tom Sawer (Nippon Animation)
- Miguel Strogoff
- Espaço 1999
- O Polvo
- Duarte & Companhia
- Mac Gyver
- O Justiceiro
- Bonanza
- Galactica






terça-feira, 19 de maio de 2009

In perpetuam rei memoriam


O MELHOR:

«Todos os dias convivemos com portugueses ilustres que sabem as dificuldades do país, mas parece que quando se transferem para a cadeira do poder esquecem-se»
Adriano Moreira

«Há um factor da soberania que é fundamental a meu ver e que é a capacidade científica e técnica que tem de se aprofundar»
Adriano Moreira

«a partir de 1974 o estado entrou em licença sabática e deixou chegarmos à desregulação total em que nos encontramos»
Adriano Moreira


O PIOR:

«criar indústria própria (…) coisa que nunca tivemos»
Apresentadora do programa


Frases proferidas no programa de televisão “Prós e Contras”, transmitido na RTP1, entre os dias 18 e 19 de Maio de 2009.


domingo, 17 de maio de 2009

PlayList

video

Bryan Ferry ao vivo no Casino de Espinho,
há precisamente um ano,
numa magnífica interpretação de A Simple Twist Of Fate.

Momentos inesquecíveis!


sexta-feira, 15 de maio de 2009

Incompetência

Taxa de desemprego (em Portugal) sobe aos 8,9 por cento no primeiro trimestre de 2009 (não inclui desempregados a receber formação).

Já é tempo dos portugueses (uma grande parte deles) perceberem que a riqueza de um país não advém de centros comerciais, urbanizações, encerramento de linhas de caminhos de ferro, venda do ouro, destruição da paisagem natural, importação de produtos estrangeiros, corrupção, mas sim, entre outros, de indústria própria com projecto de produtos incorporado, pesca, agricultura, rigor, seriedade, eficiência, etc..


quinta-feira, 14 de maio de 2009


«O mundo da beleza não é ainda o refúgio das almas tímidas e desiludidas, um retiro de vencidos, entregues ao devaneio estático e estéril. É a forja onde se retemperam as almas para as nobres lutas da vida, e de onde brotará o estímulo para se realizar as nobres lutas da vida, e de onde brotará o estímulo para se realizar a tarefa enorme de fazer a sociedade um pouco mais justa, e de tornar mais fortes os débeis laços da solidariedade humana.
Só a alegria de ter encontrado a consciência de si próprio pode dar ao homem de hoje, que batalhe pelo triunfo dos nobres ideais da vida, a coragem moral para enfrentar com desprezo as gargalhadas dos cínicos e as pedradas dos fariseus…»

J. Vieira Natividade, JORNADA A UM MUNDO DE BELEZA ETERNA, 1948.


domingo, 10 de maio de 2009

Factores que influenciam a segurança de uma via rodoviária


«No projecto de uma via haverá que atender, em termos de segurança, a uma série de factores, nomeadamente:
- volume de tráfego;
- tipo de veículos;
- largura da via;
- largura da berma e respectiva desobstrução;
- raio das curvas e sua variação;
- distâncias de visibilidade;
- comprimento das rectas;
- inclinações transversais e longitudinais;
- tipo de cruzamento (conflitos)
- número de vias;
- circulação de peões;
- tipo de pavimento e drenagem;
- existência ou não de separador;
- estacionamento ilegal;
- iluminação;
- uniformidade do traçado e restantes elementos, de forma a respeitar as expectativas do condutor;
- controlo das velocidades e sua compatibilização;
- vento lateral;
- amplitudes climáticas;
- sinalização e nível de qualidade de equipamento de segurança.»

Geometria das Vias Urbanas, Nuno Miguel Soares Martins de Carvalho, Revista “Arquitectura e Vida”, n.º 54, Novembro de 2004.


Será que os arquitectos estudaram estes assuntos no seu curso?


quinta-feira, 7 de maio de 2009

Superioridade


Socratic dialogue

"A lousy economy, glum voters—yet the prime minister may still win in October"

"THE Portuguese are among the glummest people in Europe. According to a Eurobarometer poll, 92% see the economic situation as bad; fully 95% are depressed about their job prospects; and over half are “dissatisfied with the life they lead”. Within the European Union, only easterners from Hungary and Bulgaria are similarly morose. Why the pessimism?
José Sócrates, the Socialist prime minister, could offer reasons to be more cheerful. Portugal has not experienced a big property bust like those in Spain and Ireland. Its exporters are tapping into new markets, particularly Angola and Brazil. Angola, where GDP is growing at close to 10% a year, is now Portugal’s fourth-biggest export market. By avoiding most toxic assets, the banks have stayed relatively sound. And by pushing renewable energy, the government has made Portugal a model of how to stimulate the economy and fight climate change. Investments worth €14 billion ($18 billion) will create 22,000 jobs by 2020, by which time Portugal will produce over 60% of its electricity from clean energy, way above the EU target of 20%.
Yet it is hard to cheer people with such arguments when overall economic performance has been so poor. This year GDP is expected to contract by 3.5%, lifting unemployment to about 8.5%. These are hardly cheering figures, but the real problem is that they come after a decade of below-average growth. GDP per head has fallen from almost 80% of the EU average ten years ago to just 75% in 2008. Far from catching up, Portugal has fallen further behind—unlike others in the EU (see chart).
Part of the problem was that joining the euro in 1999 pushed interest rates too low. The Portuguese borrowed heavily to buy houses, cars and airline tickets. Easy credit and rising wages sucked in imports, swelling the current-account deficit to 12% of GDP last year. Productivity failed to keep up. Instead of compensating for a limited domestic market, exports have remained stubbornly stuck at 30% of GDP—less than in most comparable small EU countries.
Yet it is hard to cheer people with such arguments when overall economic performance has been so poor. This year GDP is expected to contract by 3.5%, lifting unemployment to about 8.5%. These are hardly cheering figures, but the real problem is that they come after a decade of below-average growth. GDP per head has fallen from almost 80% of the EU average ten years ago to just 75% in 2008. Far from catching up, Portugal has fallen further behind—unlike others in the EU (see chart).
Part of the problem was that joining the euro in 1999 pushed interest rates too low. The Portuguese borrowed heavily to buy houses, cars and airline tickets. Easy credit and rising wages sucked in imports, swelling the current-account deficit to 12% of GDP last year. Productivity failed to keep up. Instead of compensating for a limited domestic market, exports have remained stubbornly stuck at 30% of GDP—less than in most comparable small EU countries."
Fonte: The Economist


segunda-feira, 4 de maio de 2009

Playlist



Europeias (II)


A mania que os partidos políticos portugueses têm de discutir minudências de modo a esconder os reais problemas do país é revoltante. O que se passou com o candidato socialista Vital Moreira é repugnante, mas daí a passar dias a discutir este assunto e gastar tempo de antena com exigências de pedidos de desculpa é uma hipocrisia quando há questões muito sérias para debater. Pena que os partidos políticos em Portugal se sintam regularmente como virgens ofendidas, quando pouco fazem para elevar o debate e recentrar as questões essenciais. Muita culpa têm igualmente os jornalistas que procuram sempre o acessório em detrimento do essencial, para que o resultado final seja apenas maior audiência em vez de maior seriedade . Muita culpa têm os jornalistas porque, em conivência com a maioria dos políticos, moldam o discurso destes para uma sucessão infinita de banalidades e de polémicas criadas à volta de não-assuntos.

Se há culpados directos na degradação do debate público, os primeiros são os jornalistas. Porque distorcem e desvirtuam uma mensagem política séria, em detrimento da polémica, da denúncia e da hipocrisia.


My number...


sábado, 2 de maio de 2009

Maio de 68

«Vemos todos, todos os que temos olhos para ver, como a partir dos acontecimentos de Maio de 68 em França se têm expandido na Europa ideais dinâmicos de anarquia. Noutros países eles têm já causado numerosos estragos entre a juventude e não poucas perturbações sociais. No nosso, que na Europa é uma nesga onde todos se conhecem, essa exaltação juvenil toca à generalidade das famílias e sobretudo é preocupante na medida em que os revolucionários profissionais buscam aproveitá-la e canalizá-la.»

«É urgente deixarmos de querer parecer «actuais» e «do nosso tempo» ao transigir com todas as exigências, ao exibir a fraqueza do comodismo face ao ímpeto das reivindicações infundadas, ao calarmo-nos perante asserções falsas, desvios da verdade histórica e acusações injuriosas.»

Marcello Caetano, POLÍTICA É TRABALHO, 1972.